Paz e serenidade

Março 23rd, 2018

Precisamos de paz interior e de serenidade e tantas vezes não as temos. O que fazer para que a paz e a serenidade abitem dentro de nós.

1. Manifestar os sentimentos às pessoas que amamos, dizer-lhes: gosto de ti. Se fazemos uma viagem com a memória, reparamos que não manifestamos o afetos, que na verdade sentimos dentro de nós para as pessoas que mais amamos (mãe, pai, esposo, esposa, filhos, netos, irmãos, amigos).

2. Reconciliar-se: dar e receber o perdão. Pedir perdão e perdoar pode re-estabelecer os relacionamentos dentro da família e com as pessoas que fazem parte da nossa vida. Quando estamos em paz com os outros a paz está dentro de nós e sentimos os seu efeitos porque estamos bem a nível espiritual e emocional. Na verdade, sem perdão não pode haver paz interior. Quando perdoamos, desaparece o rancor, o ressentimento, a amargura e as mágoas. A paz interior é o resultado de um escolha humilde, corajosa e generosa: perdoar. O desamor produz ofensas, roturas, mágoas. O perdão é um super amor, um excesso de amor que nos levanta, que nos ressuscita: da vida, serenidade e paz.

3. Agradecer. A palavra “obrigado” tem um significado riquíssimo: manifesta reconhecimento, apreço, pelo bem que nos fizeram. Produz serenidade, amor, confiança, enfim, paz interior.

4. Despedir-se. Dizer adeus preanuncia a saudade de voltar a encontrar-se. Ir-se embora manifestando o desejo de se reencontrar é algo de profundamente reconfortante. O adeus manifesta saudade, é o fim de um etapa, mas a vida continua. Quando alguém morre, é o último adeus, e assumir o fim de uma etapa, não o fim da existência, é saudade, desejo de se reencontrar, é o amor que vence a morte.

Orar Juntos

Março 23rd, 2018

Existe grande poder na oração em conjunto!

Algumas pessoas não gostam ou não apreciam o suficiente a oração em conjunto. Provavelmente pensam no que Jesus disse:

“Mas tu quando orares, entra no teu aposento, e, fechando a tua porta, ora a teu Pai que está em oculto; e teu Pai, que vê secretamente te recompensará.” (Mt 6,6)

Todos os dias temos que orar sozinhos: de manhã para pedir a ajuda de Deus e a noite para Lhe pedir perdão e Lhe agradecer. Temos, todos os dias a oportunidade de entrar no quarto e falar a sós com Deus.

Contudo, é importante orar juntos com os outros, que façamos os nossos pedidos ao Senhor com os os outros, para que também eles se possam unir em oração, manifestar a sua fé e confessarem que eles também dependem do Senhor. A oração em comum é mais forte e poderosa porque não estamos sozinho a pedir, os outros pedem o que nós pedimos. O Senhor está desejoso em dar respostas aos nossos pedidos quando estamos unidos nos amor, em oração, com o mesmo objetivo:

“Porque onde estiverem dois ou três reunidos em Meu Nome, aí estou Eu no meio deles.” E, “Se dois de vós concordarem na Terra acerca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por Meu Pai, que está nos Céus.” (Mt 18, 20,19)

Onde erramos

Março 23rd, 2018

Sabe onde erramos?
Erramos quando: valorizamos mais os de fora, do que os que são da nossa própria casa.
Erramos quando: escrevemos grandes textos de homenagens, ou planejamos festas para amigos ou apenas conhecidos, e esquecemos de homenagear todos os dias nossa família.

Sabe quando erramos?
Erramos quando colocamos aquela linda toalha de renda na mesa para as visitas, e para os da nossa casa, é aquela toalha velha mesmo, aquela manchada de massa de tomate sabe?!
Erramos quando a taça bonita é para as visitas, mas para os de casa? A xícara trincada.
Erramos quando nos empenhamos tanto em agradar os outros, mas para fazer um favor pra mãe, é um peso.

Sabe quando erramos?
Quando nas rodas de amigos, ou nas redes sociais exibimos um amor incondicional pela nossa família, mas em casa nos recusamos a pegar um copo de água pra o mesmo.
Erramos quando queremos exercer ministérios, quando o nosso maior ministério que é a família, está desfocado, desdenhado, deixado de lado.

Nosso maior e primeiro ministério a ser exercido…é no âmbito familiar.
Se esse ministério não é bem sucedido, nenhum outro será.

A vida passa

Março 23rd, 2018

Contei meus anos e descobri que tenho menos tempo
para viver a partir daqui, do que o que eu vivi até agora.
Eu me sinto como aquela criança que ganhou um pacote de doces;
O primeiro comeu com prazer, mas quando percebeu que havia poucos,
começou a saboreá-los profundamente.
Já não tenho tempo para reuniões intermináveis ​​
em que são discutidos estatutos, regras,
procedimentos e regulamentos internos,
sabendo que nada será alcançado.
Não tenho mais tempo para apoiar pessoas absurdas que,
apesar da idade cronológica, não cresceram.
Meu tempo é muito curto para discutir títulos.
Eu quero a essência, minha alma está com pressa …
Sem muitos “doces” no pacote …

Quero viver ao lado de pessoas humanas, muito humanas.
Que sabem rir dos seus erros.
Não fiquem inchados, com seus triunfos.
Isso não é ser considerado eleito antes do tempo.
Não fique longe de suas responsabilidades.
Isso defende a dignidade humana.
E querer andar do lado da verdade e da honestidade.

O essencial é o que faz a vida valer a pena.
Quero cercar-me de pessoas que sabem tocar os corações das pessoas …
Pessoas a quem os golpes da vida,
ensinaram a crescer com toques suaves na alma.
Sim … Estou com pressa …
Estou com pressa para viver com a intensidade
que só a maturidade pode dar.
Eu pretendo não desperdiçar nenhum dos “doces”
que eu tenha ou ganhe…
Tenho certeza de que eles serão mais requintados
do que os que comi até agora.

Meu objetivo é chegar ao fim
satisfeito e em paz com meus entes queridos
e com a minha consciência.
Nós temos duas vidas
e a segunda começa quando você percebe que você só tem uma …

FESTA DA DIVINA MISERICÓRDIA

Março 10th, 2018

Festa da Divina Miser2018DOMINGO, 8 de ABRIL 1918
na Igreja Beato João Batista Scalabrini
Rua do Minho, Cruz de Pau, Amora


PROGRAMA

10:30 EUCARISTIA (com a Comunidade Paroquial)
12:00 Almoço partilhado (Salão)
14:00 Acolhimento na Igreja – Louvor
15:00 Adoração – hora santa da Misericórdia
– Terço da Misericórdia
– Oração de Cura e Libertação
– Bênção com o Santíssimo Sacramento

Santo António da Charneca – Barreiro

Outubro 28th, 2017

Domingo, 26 de Novembro
TARDE DE ORAÇÃO – CURA E LIBERTAÇÃO
14h Atendimento – Oração do Terço
15h Exposição do SS. Sacramento, Terço da Misericórdia

Domingo, 18 de Fevereiro
TARDE DE ORAÇÃO – CURA E LIBERTAÇÃO
14h Atendimento – Oração do Terço
15h Exposição do SS. Sacramento, Terço da Misericórdia

Domingo, 27 de Maio
FESTA DE ANIVERSÁRIO DO GRUPO “CRISTO VIVE”
14h Atendimento – Oração do Terço
15h Terço da Misericórdia
16h Eucaristia – Oração de Cura Interior

O mundo

Outubro 28th, 2017

O MUNDO NÃO É MATERNAL

É bom ter mãe quando se é criança,
e também é bom quando se é adulto.
Quando se é adolescente a gente pensa que viveria melhor sem ela,
mas é um erro de avaliação. Mãe é bom em qualquer idade.
Sem ela, ficamos órfãos de tudo,
já que o mundo lá fora não é nem um pouco maternal conosco.

O mundo não se importa se estamos desagasalhados e passando fome.
Não liga se viramos a noite na rua, não dá a mínima se estamos acompanhados por maus elementos. O mundo quer defender o seu, não o nosso.

O mundo quer que a gente torre nossa grana,
que a gente compre um apartamento que vai nos deixar endividados,
que a gente ande na moda, que a gente troque de carro,
que a gente tenha boa aparência e estoure o cartão de crédito.
Mãe também quer que a gente tenha boa aparência,
mas está mais preocupada com o nosso banho, nossos dentes,
nossos ouvidos, com a nossa limpeza interna:
não quer que a gente se drogue,
que a gente fume, que a gente beba.

O mundo nos olha superficialmente.
Não detecta nossa tristeza, nosso queixo que treme, nosso abatimento.
O mundo quer que sejamos lindos, magros e vitoriosos para enfeitar a ele próprio, como se fossemos objetos de decoração do planeta.
O mundo não tira nossa febre, não penteia nosso cabelo, não oferece um pedaço de bolo feito em casa.

O mundo quer nosso voto, mas não quer atender nossas necessidades.
O mundo, quando não concorda com a gente, nos pune, nos rotula, nos exclui. O mundo não tem doçura, não tem paciência, não nos escuta.
O mundo pergunta quantos eletrodomésticos temos em casa e qual é o nosso grau de instrução, mas não sabe nada dos nossos medos de infância, das nossas notas no colégio, de como foi duro arranjar o primeiro emprego.

Mãe é de outro mundo. É emocionalmente incorreta: exclusivista, parcial, metida, brigona, insistente, dramática. Sofre no lugar da gente, se preocupa com detalhes e tenta adivinhar todas as nossas vontades,
enquanto que o mundo nos exige eficiência máxima,
seleciona os mais bem dotados e cobra caro pelo seu tempo.
Mãe é de graça.

https://www.facebook.com/CronicasDeMarthaMedeiros

Ser santos

Outubro 28th, 2017

A vida neste mundo é “dois dias”, o terceiro dia é a eternidade

Que o Senhor conceda a todos a esperança de sermos santos.
Alguns poderão perguntar:
“Padre, é possível ser santo na vida de todos os dias?”
Sim, é possível.
“Mas isto significa que devemos rezar o dia inteiro?”

Não. Quer dizer apenas que tu deves cumprir o teu dever ao longo do dia: rezar, ir ao trabalho, educar e proteger os teus filhos.
Mas para isso, é preciso fazer tudo com o coração aberto a Deus,
no trabalho, na doença e no sofrimento, no meio das dificuldades.

Não pensemos que é mais fácil sermos delinquentes do que santos! Não. Podemos ser santos porque o Senhor nos ajuda. É Ele que nos assiste.
Ser santo é o grande presente que cada um de nós pode oferecer ao mundo, porque a nossa história tem necessidade de santos, de pessoas movidas pelo amor de Deus, capazes de viver, de sofrer e de morrer pelos outros.

Sem estes homens e mulheres, o mundo não teria esperança.
Por isso, faço votos para que vós — e também eu —
recebamos do Senhor o grande dom e a esperança feliz
de sermos santos, como Deus é Santo! 

Cf. Papa Francisco, Audiência, 21.06.2017

Preguiça

Outubro 28th, 2017

Após o pecado ter entrado na nossa história, Deus impôs ao homem “a lei severa e redentora do trabalho”, como disse  o Papa Paulo VI. “Comerás o teu pão com o suor do teu rosto, até que voltes à terra de que foste tirado …” (Gen 3,19).
Todo trabalho é uma continuação da atividade criadora de Deus. E Deus derrama a sua graça sobre aquele que trabalha com diligência. O trabalho é a sentinela da virtude. Se com humildade oferecemos a Deus o nosso trabalho, este adquire um valor eterno. Assim, o temporal se transforma em eterno.

A preguiça joga por terra toda esta riqueza. Querer viver sem trabalhar é como desejar a própria maldição nesta vida. São Paulo disse aos Tessalonicenses: “Procurai viver com serenidade, trabalhando com vossas mãos, como vo-lo temos recomendado. É assim que vivereis honrosamente em presença dos de fora e não sereis pesados a ninguém”. (1Tes 4,11-12).

O Talmud dos judeus diz que: “Não ensinar ao filho a trabalhar, é como ensinar-lhe a roubar”. Trabalhando, como homem, Jesus tornou sagrado o trabalho humano e fonte de santificação. Por isso, o lema de vida de São Bento de Nurcia, nos mosteiros, era: “Ora et Labora!” (Reza e Trabalha!). Um mau trabalhador é um mau cristão. Um operário displicente é um mau cristão. Um professor cristão e relapso é um contra testemunho cristão…
O pecado da omissão é fruto da preguiça.

É por preguiça que o filho não obedece a seus pais, e muitas vezes se torna um transviado. É por preguiça que os pais muitas vezes não educam bem os seus filhos. É por preguiça de algumas mulheres que o trabalho do lar é às vezes mal feito, prejudicando os seus filhos, o esposo e a alegria do lar.

É por preguiça de muitos maridos que a casa fica com as lâmpadas queimadas, o chuveiro estragado, a torneira vazando… É por preguiça que o trabalhador faz o seu serviço de maneira desleixada, prejudicando os outros que dependem dele. É por preguiça que o estudante não estuda as suas lições e se arrasta na sua caminhada e prejudica a sua formação.

É por preguiça que o cristão deixa de ir à missa, de rezar, de conhecer a doutrina da Igreja, de trabalhar na sua comunidade.  Há um provérbio chinês que afirma que “não é a erva daninha que mata a planta, mas a preguiça  do agricultor”.

http://blog.cancaonova.com/felipeaquino/

O Sinal da Santa Cruz

Outubro 19th, 2017

Persinhar-se é uma prática muito comum,
mas talvez nem todos conhecem o significado
e a importância desta oração,
se o conhecessem, nunca deixariam
de o praticar com muita fé e amor.

*(†) Pelo sinal da Santa Cruz,*
*(†) livrai-nos DEUS, nosso SENHOR,*
*(†) dos nossos inimigos!*
*(†) Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!*

De manhã, ao acordar, podemos fazer este “sinal da Cruz” sobre nós.
Podemos fazê-lo antes das refeições. À noite, antes de dormir.
Muitas pessoas fazê-no ao entrar numa igreja;
muitas outras o fazem ao menos uma vez ao dia,
mas nem tosas conhecem a sua importância,
por isso repetem os gestos sem pensar,
distraídos, sem ter a devida consciência
de que estão a invocar a Santíssima Trindade.

Tenho a certeza, irmão/ã, que agora,
começarás a fazê-lo com muito mais amor e convicção.

O “sinal da Cruz” não é um gesto ritual,
mas sim, uma verdadeira e poderosa oração!
É o sinal dos cristãos!

Por meio dele muitos santos invocaram a proteção do Altíssimo.
Pelo sinal da Santa Cruz pedimos a Deus que, pelos méritos da Santa Cruz de Seu Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, nos livre dos nossos inimigos,
e de todas as ciladas do mal, que atentam contra a nossa saúde física e espiritual.

A invocação da Santa Cruz tem que ser feita com fé,
sem pressa, com a maior devoção e respeito.
De forma solene:

*† Pelo sinal da Santa Cruz (na testa):
pedimos a Deus que nos dê bons pensamentos, nobres e puros.
E que Ele afaste de nós os pensamentos ruins, que só nos causam mal.

*† Livrai-nos Deus, Nosso Senhor (na boca):
pedimos a Deus que de nossos lábios só saiam louvores.
Que o nosso falar seja sempre para a edificação do Reino de Deus
e para o bem estar do próximo.

*† Dos nossos inimigos (sobre o coração):
para que em nosso coração só reine o amor e a lei do Senhor,
afastando-nos, pois, de todos os maus sentimentos, como o ódio,
a avareza, a luxúria… Fazendo-nos verdadeiros adoradores.*

*† Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!
É o acto libertador e deve ser feito com a maior reverência,
consciência, fé e amor, pois expressa a nossa fé
no Mistério da Santíssima Trindade,
cerne de nossa fé cristã, Deus em si mesmo.

Deve ser feito com a mão direita,
levando-a da testa à barriga,
e do ombro esquerdo ao direito.

Façamos o “sinal da Cruz”, antes de sair de casa,
antes de qualquer trabalho, nas horas difíceis
e nas horas de alegria também.

Façamo-lo sobre nós, e, sempre que possível,
abençoemos os filhos, o marido, a esposa, os irmão,
sobrinhos e netos, pedindo a Deus-Trindade
que os liberte de todos os males,
para que possam cumprir seus deveres: acordar, comer,
estudar, trabalhar, dormir, viajar…
Em nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo! Amém!*

Texto original em:
O valor do sinal da cruz