Suportar

Outubro 10th, 2017

Imitação de Cristo, Livro III, Cap. 19

1. Jesus: Filho, que é o que estás a dizer? Deixa de te queixar, e considera a minha paixão e os sofrimentos dos santos. Ainda não tens resistido até derramar sangue (Heb 12,4). O que estás a sofrer é pouco em comparação ao que sofreram tantos outros, tão cruelmete tentados, tão gravemente atribulados, com tantas provações e angústias. Convém, pois que te lembres das graves tribulações dos outros, afim de suportar mais facilmente as tuas misérias, que são mais leves. E te não parecem tão leves, olha, é por causa da tua grande impaciência que as amplia. Mesmo assim, quer que sejam grandes, quer que sejam pequenas, procura suportar tudo com paciência.


Paciência e sabedoria
2. Quanto melhor te dispões para padecer, tanto mais actuarás com sabedoria, serás mais paciente e as tuas ações terão maiores merecimentos aos olhos de Deus; com a resignação e a prática torna-se também mais suave o sofrimento. Não digas: não posso suportar isto daquele homem, nem posso tolerar injurias como estas; nunca imaginei que me pudessem acusar dessas coisas, com tão grandes prejuízos; se fossem outras pessoas aceitá-la-ia em paz, julgando que deveria sofrer. Insensato é semelhante modo de pensar, pois não considera o valor da paciência nem olha para Áquele que dará uma coroa de glória, mas olha só as pessoas e as ofensas recebidas. 


Tudo nas mãos de Deus
3. Não é de verdade paciente aquele que quer evitar o sofrimento e só quer o que lhe apetece e de quem lhe apraz. O verdadeiro paciente não repara de quem lhe vem a provação, se vem do seu superior, do seu colega do inferior, se vem de homem bom e santo, ou de que é mau e perverso. Mas, sem diferença de pessoa, sempre que lhe sucede qualquer adversidade, aceita-a com gratidão como recebida da mão de Deus e a considera um grande lucro para sua alma. De facto, aos olhos de Deus qualquer coisa, por insignificante que seja, se a sofremos por amor terá merecimento aos olhos de Deus.


Não há prémio sem luta
4. Estejas portanto preparado para o combate, se queres obter a vitória. Sem combate não podes conquistar a coroa da vitória. Se não queres sofrer, estás a recusar o coroa; mas, se desejares ser coroado, enfrenta corajosamente o combate e suporta tudo com paciência. Sem trabalho não se consegue o descanso e sem combate não se alcança a vitória. 


Oração
5. Tornai-me, Senhor, possível, pela graça, o que me parece impossível pela natureza. Vós bem sabeis quão pouco sei sofrer, e que logo fico desanimado com a menor contrariedade. Tornai-me amável e desejável qualquer provação e aflição, porque padecer e ser mal-tratado por Vosso amor, é muito proveitoso à minha alma. 


Humildade

Outubro 10th, 2017

Pode acontecer que,
devidas as circunstancias da vida,
comecemos a avaliar as pessoas
não por aquilo que são,
mas para saber se estão
a nosso favor ou contra nós.

A “Imitação de Cristo”, livro 2, capítulo 2, assim responde:

Sofrer em silêncio, com humildade
Não fiques angustiado se alguém está por ti ou contra ti; mas procura e fazes o possível para que Deus esteja contigo em tudo o que tu fizeres. Procura ter uma consciência recta e Deus te defenderá, pois se Deus estiver contigo e te ajudar não há maldade que te possa prejudicar.

Suporta o sofrimento em silêncio, verás, sem dúvida, o socorro do Senhor. Ele sabe o tempo e o modo de te livrar; portanto, entrega-te todo a Ele. Deus ajudar-te-á e livrar-te-á de toda a confusão. Muitas vezes é mais útil para nós, perseverar com humildade do que deixar que os outros conheçam os nossos defeitos e no-los repreendam.

A humildade é muito útil para nós
Quando o homem se humilha por seus defeitos, facilmente desarma os outros e com poucas palavras dá satisfação aos que estão irados contra ele. Deus protege o humilde, ama o humilde o consola; inclina-se e derrama nele abundantemente a sua graça. O humilde rebaixou-se, mas o Senhor levanta-lo-á em grande honra. É aos humildes que Deus revela os seus segredos e suavemente os atrai e convida.
O humilde mesmo quando é offendido conserva sua paz, porque está com Deus não com o mundo. Não pensar de ter feito algum progresso na vida espiritual se não te reconheces inferior a todos.

Pedido

Outubro 10th, 2017

Ontem perguntei a Jesus quais os dons
que deveria ter, pedir, possuir ou exercitar
para poder enfrentar as tribulações
com que me tenho confrontado nos últimos tempos
e que de algum modo me perturbam.

ELE respondeu-me quando abri o livro
da “Imitação de Cristo”, Livro III Cap. XXX, parag. 6:

Se és prudente, e vês as coisas como são,
a adversidade longe de te lançar em grande abatimento,
devem antes provocar a alegria e o agradecimento.

Deves mesmo fazer consistir a tua alegria,
em que eu te aflija sem te poupar.

“Assim como meu Pai me amou, assim eu vos amo a vós”, disse eu aos meus amados discípulos; contudo, enviei-os, não para saborearem as delícias do mundo, mas para sustentarem grandes combates; não para honras, mas para desprezo; não para a ociosidade, mas para os trabalhos; não para o descanso, mas para produzirem grandes frutos pela paciência. Lembra-te, meu filho, destas palavras.”

Jesus sempre nos dá a Sua resposta
no momento certo e adequada à situação!

Desánimo

Outubro 10th, 2017

Um dia estava um pouco desanimado e pedi ao Senhor Jesus:
Ajuda-me Senhor Jesus com a Tua Sabedoria Divina.
Porque é que isso aconteceu? Será que ando errado?

Foi nesse momento que abri o livro da
Imitação de Cristo, livro 3, capítulo 57
e encontrei o seguinte ensinamento:

1. Meu Filho, o que mais me agradam é paciência e humildade quando as coisas correm mal do que muita consolação e fervor quando tudo corre bem.
2. Por que te entristece uma coisinha que disseram contra ti? Ainda que te tivessem feito uma ofensa ainda maior, tu não devias ficar perturbado. Deixa passar, meu filho, isso não é uma novidade; não é a primeira vez, nem será a última, se muito tempo viveres.
3. És tão valoroso enquanto te não sucede alguma adversidade. Sabes até dar bons conselhos e consolar os outros com tuas palavras; mas de repente quando bate à tua porta a tribulação, logo te falta conselho e fortaleza. Considera a tua grande fraqueza perante as mais pequenas dificuldades: é para o teu bem, é para a tua salvação que tudo isso te acontece.
4. Procura esquecer! não te deixar abalar nem perturbar. Sofre, mas com paciência o que não podes sofrer com alegria. Custa ouvir certas coisas e ficas indignado, mas procura moderar a tua língua e não deixar escapar da tua boca palavras feias que podem ser motivo de escândalo para as almas pequenas.
5. Confia em Mim e logo se acalmará a tempestade em teu coração, e a dor se converterá em doçura, quando graça voltará a reinar na tua alma. Eu Sou o Senhor, Aquele que vive (Is 48,18) sempre pronto para te ajudar e consolar, mais do que nunca, se em mim confiares e me invocares com sinceridade.
6. Cultiva a paz em tua Alma, sejas corajoso, prepara-te para suportar coisas maiores. Nem tudo está perdido mesmo quando te sentires atribulado e gravemente tentado. És um homem de carne, não um anjo.
7. Como é que tu pode perseverar na virtude quando nem os anjos conseguiram, nem o primeiro homem no paraíso?
8. Sou Eu, o Senhor, que levanto os aflitos e os salvo e elevo as almas humildes à minha divindade quando reconhecem as suas fraquezas.

Obrigado Senhor pela Tua Palavra que da consolação e paz à minha Alma. Tu és a minha força! Como é que poderia aguentar nas tribulações e angústias? Só Tu, Senhor tens Palavras de vida e de vida eterna. Confio em Ti, meu Senhor é meu Deu e tenho a certeza que não ficarei desamparado. Confio em Ti e sei que alcançarei a salvação. Sei que é necessário passar pelo caminho da cruz, mas Tu estás sempre ao meu lado.
Se nesta vida tiver vivido o amor pouco importa o que tiver sofrido. Conduz-me, Senhor pelo caminho do vosso reino! Amém.

Orar juntos

Outubro 10th, 2017

Existe um grande poder na oração em conjunto!

Algumas pessoas ficam com um pouco receosas
quando alguém os convida a juntar-se em oração.
Provavelmente pensam no que Jesus disse:
“Mas tu quando orares, entra no teu quarto,
fecha a porta e ora a teu Pai em teu coração,
pois, o teu Pai, que tudo conhece, te recompensará.” (Mt 6,6)

Sempre, todos os dias, temos a possibilidade
de nos recolhermos no quarto e orar o Pai,
mas também há outros momentos para orarmos juntos!

É bom que eu faça o meu pedido a sós para o Senhor,
mas também é importante que o faça junto cos outros,
para que eles possam unir-se à minha oração
e assim manifestarem a sua fé em Jesus
e confessarem que dependem do Senhor, junto comigo.
Por isso, posso pedir oração sempre que eu precisar
e, quando é possível juntar-me com eles em oração.

O Senhor adora dar respostas aos nossos pedidos
e, com certeza, atenderá os pedidos que juntos lhe dirigimos;
pois, Ele vê que estamos unidos no amor, como irmãos,
juntos em oração, de alma e coração, com o mesmo objetivo.

“Porque onde estiverem dois ou três reunidos em Meu Nome,
aí estou Eu no meio deles.” E, “Se dois de vós concordarem
na Terra acerca de qualquer coisa que pedirem,
isso lhes será feito por Meu Pai, que está nos Céus.”
(Mt 18,20,19)

Morrer no quarto

Outubro 8th, 2017

Antes perdíamos filhos nos rios,
nas matas, nos mares, nas discotecas, nas ruas …
hoje os perdemos dentro do quarto!

Antes, víamos as crianças a brincar em casa ou fora de casa:
ouvíamos suas vozes, escutávamos suas fantasias
e, mesmo a distância, sabíamos o que se passava em suas mentes.
Quando entravam em casa ainda não existia
uma TV em cada quarto, nem dispositivos electrónicos em suas mãos.

Hoje não ouvimos suas vozes,
nem conhecemos seus pensamentos e fantasias.
Ficam fechadas em casa, nos seus quartos,
com os fones aos ouvidos,
bem entretidos com jogos electrónico
e nós pensamos que estão em segurança.
Que grande imaturidade é a nossa!

Os filhos ficam fechados em casa, em seus quartos,
diante do écran da televisão, do tablete, ou do telemóvel,
adquirindo conhecimentos que nós completamente ignoramos.
Perdemos a capacidade de lhes tramitarmos os valores da vida,
assim, eles os adquirem noutras fontes que fogem ao nosso controle. Vimos-los crescer, com os fones aos ouvido, trancados nos quartos,
em seus mundos, sem que saibamos o que é…

Os filhos perdem literalmente a vida, estão vivos em seus corpos,
mas mortos em seus relacionamentos com seus pais,
fechados num mundo global virtual,
de onde recebem tanta informação e estímulos,
de modismos passageiros,
que em nada contribuem para formação
de homens e mulheres seguros e fortes, responsáveis,
capazes de tomarem decisões moralmente corretas,
de acordo com os valores familiares.

Sim, é dentro de seus quartos que perdemos os nossos filhos.
Eles não sabem quem são, nem o que pensam suas famílias.
Estão lá, fechados, mortos, pois perderam a sua identidade familiar… Influenciados por conhecimentos virtuais,
já nem sabem o que eles são.
E nós olhamos para eles e não os reconhecemos,
pois se tornam uma mistura daquilo que virtualmente recebem.

Agora tu estás a ler ou ouvir esse texto.
Compreendes que tudo isto é verdade,
podes com certeza envia-lo aos teus amigos.
É bom! Ajuda a refletir! É excelente!

Mas esta realidade é dolorosa.
É dolorosa para as famílias.
É dolorosa para médicos, psicólogos e psiquiatras!
Todos nós sentimos impotentes observando
os nossos filhos vivos no corpo, mas mortos no espírito,
fechados em seus próprios quartos.

Faço para si um convite e, por favor aceite-o!
Tirar o teu filho do seu quarto, afasta-o do tablet,
do celular, do computador, dos fones aos ouvido,
em seu lugar compre jogos de mesa, tabuleiros,
mantém seus filhos na sala, ao seu lado
ao menos dois dias estabelecidos por semana à noite
(além do sábado e domingo).

E jogue, divirta-se com eles, escute as vozes, as falas, os pensamentos
e tenha a grande oportunidades de tê-los vivos, “dando trabalho”
e que eles aprendam a viver em família,
que se sintam pertencentes no lar
que não precisem de se aventurar nessas brincadeiras malucas
para se sentirem alguém ou terem um pouco de adrenalina
que antes tinham com as brincadeiras no quintal!

Reflexão inicial
de Cassiana Tardivo
Psicopedagoga

O melhor jejum

Outubro 8th, 2017

Jejuar para viver com mais amor
15 conselhos de Papa Francisco

1. Sorrir, um cristão é sempre alegre!
2. Agradecer (embora não “precise” fazê-lo).
3. Lembrar ao outro o quanto você o ama.
4. Cumprimentar com alegria as pessoas que você vê todos os dias.
5. Ouvir a história do outro, sem julgamento, com amor.
6. Parar para ajudar. Estar atento a quem precisa de você.
7. Animar a alguém.
8. Reconhecer os sucessos e qualidades do outro.
9. Separar o que você não usa e dar a quem precisa.
10. Ajudar a alguém para que ele possa descansar.
11. Corrigir com amor; não calar por medo.
12. Ter delicadezas com os que estão perto de você.
13. Limpar o que sujou, em casa.
14. Ajudar os outros a superar os obstáculos.
15. Telefonar para seus pais.

O MELHOR JEJUM

• Jejum de palavras negativas e dizer palavras bondosas.
• Jejum de descontentamento e encher-se de gratidão.
• Jejum de raiva e encher-se com mansidão e paciência.
• Jejum de pessimismo e encher-se de esperança e otimismo.
•Jejum de preocupações e encher-se de confiança em Deus.
• Jejum de queixas e encher-se com as coisas simples da vida.
• Jejum de tensões e encher-se com orações.
• Jejum de amargura e tristeza e encher o coração de alegria.
• Jejum de egoísmo e encher-se com compaixão pelos outros.
• Jejum de falta de perdão e encher-se de reconciliação.
• Jejum de palavras e encher-se de silêncio para ouvir os outros.

Auto-imagem

Outubro 8th, 2017

Cada um actua a partir da sua auto-imagem.
Precisamos de ter um justo amor para nós mesmos,
isto é saber aceitar-se nas limitações
e apreciar-se pelas as nossas capacidades.

Acima de tudo confiar em Deu
porque Ele noa ama e deseja a nossa felicidade,
não só depois da nossa morte,
mas também durante a nossa vida terrena,
nas mais diversas circunstâncias.

Ter uma visão positiva da nossa pessoa
é a condição necessária para podermos amar os outros.
Em termos psicológicos chama-se auto-imagem.
Cada pessoa actua conforme a sua auto-imagem.
Quem tem uma auto-imagem positiva
actua livremente sem medos.
Quem tem uma auto-imagem negativa
fica sempre condicionado ou bloqueado,
a Sua liberdade de ação fica sempre diminuída.
Que não se ama, não amará ninguém.

Pôr isso, cada um deve interrogar-se: como é que eu me vejo?
Estou contente de mim mesmo, das minhas capacidades?
Tenho uma auto-imergem positiva?
Actuo com liberdade?
Consigo aceitar-me nas minhas limitações e defeitos?

Estou consciente de que a minha vida
é um bem precioso para mim e para os outros?

Se tiver uma imagem negativa, se estiver insatisfeito com a vida,
se não me aceitar positivamente, não conseguirei ser feliz,
continuarei a lamente-me e dar a culpa aos outros,
penso que são eles que devem mudar
e não me percebo que sou eu que preciso de mudar
a minha auto-imagem.

Se eu não mudar, sou eu que continuo a sofrer,
sou eu quem está doente!

Se guardar mágoas em meu coração,
se não perdoar, sou eu quem sofre, sou eu que devo mudar.
Se não cuidar, posso adoecer, mesmo fisicamente.

Pureza

Outubro 7th, 2017

Jesus disse: “Bem-aventurados os puros de coração, porque eles verão a Deus”. (Mt 5,8) A pureza de coração está ligada a uma bem-aventurança: reconhecer a presença de Deus. Se queremos ver a Deus no Céu, devemos cultivar a virtude da pureza nesta terra.

S. Paulo, que conhecia bem o preço desta virtude, dizia: «Fugi da impureza… quem se entrega à impureza, peca contra o seu próprio corpo. Não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, porque o recebestes de Deus, e que vós já não vos pertenceis? 20Fostes comprados por um alto preço! Glorificai, pois, a Deus no vosso corpo» (1Cor, 6, 18-20)

Um olhar puro
Com os olhos do nosso corpo podemos observar podemos distinguir entre a luz e as trevas, entre branco e preto, entre belo ou feio; a mesma coisa acontece com os olhos da alma. Um olhar límpido e puro consegue distinguir a presença de Deus.

Muito pelo contrário, os cegos não conseguem ver Deus, mas nem por isso a luz deixa de existir. A mesma coisa acontece na nossa alma. Quando nela entra a impureza, os olhos da alma são velados pelos pecados e pelos vícios, não conseguem ver bem.

Por isso, pedimos a Deus que nos liberte de toda a obscuridade e que tenhamos um olhar límpido para reconhecer a Sua presença.

Um coração livre, capaz de amar
A sociedade materialista, com a decadência da vida moral, acabou por cegar a almas. Assim, toleramos à impureza como se fosse uma coisa boa e, assim, vivemos escravos do pecado e atormentadas pelas paixões da carne.
Se queremos ter um coração puro, livre, capaz de amar, devemos cultivar virtude da pureza. Isto é, temos de dominar os desejos desordenados. Só uma coração livre dos apegos terrenos tem a capacidade de amar que leva a verdadeira felicidade.

O Combate do cristão
Com o Baptismo renascemos pela Água e pelo Espírito Santo. Livres da escravidão do pecado, entramos na vida nova da graça; mas não perdemos a liberdade, por isso, a luta contra a concupiscência da carne e os desejos desordenados continua durante toda a vida.
A pureza é a virtude interior que nos liberta dos desejos desordenados e nos ajuda a amar com um coração recto e sincero, fruto de uma luta constante contra o pecado. A pureza é uma pérola preciosa pela qual vale a pena lutar, com ela seremos capazes de ver a Deus.

Sejas puro no teu olhar – A custódia dos sentidos
O erotismo difuso, espetáculos mundanos e indecentes, livros, jornais, internet, conversas, alimentam a curiosidade mórbida da impureza e cegam a alma. A igreja desde sempre ensina a custodiar os sentidos, particularmente o olhar.

Os olhos são as janelas da alma. Se o nosso olhar é puro, a alma permanece na paz. A pureza exige uma disciplina constante do olhar, exterior e interior. Isto é, uma vigilância continua no olhar, nos pensamentos e na imaginação, que é chamada “custódia dos sentidos”. É um olhar puro, iluminado pela verdade, que nos ajuda a rejeitar o mal e escolher o bem: a rejeitar a imoralidade (desordem moral) e escolher uma vida ordenada, recta, justa, de acordo com consciência moral. Quando o olhar é puro, a alma é luminosa, a paz reina no coração. Se for impuro caímos na escuridão, perdemos a paz interior e o coração fica atormentado.

Semeadura e colheita

Outubro 7th, 2017

O Apóstolo São Paulo, na Cartas aos Gálatas 6, 7-9 escreveu:
“…aquilo que o homem semear, isso também ceifará.” (v.7)

Naquele momento, eu parecia suficientemente inocente,
pois tinha acabado de chegar da escola,
e dissera para minha mãe que iria à casa de um amigo jogar futebol.
Ela insistiu para que eu ficasse em casa e fizesse meus deveres escolares.
Mas eu, em vez disso, saí pela porta do fundo
sem ela me ver e passei as duas horas jogando no quintal de meu amigo.
Na última jogada, no entanto,
me derrubaram e quebrei o meu dente da frente.
Quase enlouqueci de dor,
mas o pior foi contar aos meus pais o que tinha ocorrido.

Desobedeci e aquela desobediência custou-me
uma jornada de 10 anos com problemas dentários e dores,
com implicações que continuam até hoje.
Há erros pelos quais pagamos as consequências para sempre …
dizia um certo jogador de futebol.

Há séculos, o Apóstolo São Paulo disse a mesma coisa,
escrevendo a lei universal da semeadura e da colheita.
Ele disse: “…aquilo que o homem semear recolherá (Gálatas 6, 7).
Nossas escolhas muitas vezes têm o alcance e impacto que nunca imaginamos.
As palavras do apóstolo nos lembram de fazer escolhas sábias.

Jesus disse: “a árvore boa produz bons frutos,
a árvore má produz maus frutos.
A árvore que não produz frutos bons é cortada e lançada ao fogo,
é pelos frutos que se os reconhecereis” (Mt 7,17-20)

Deus é bom, Ele fez tudo para o nosso bem e nos deu bons conselhos;
Jesus deixou-nos o Seu exemplo e nos ensinou a amar e perdoar
como Ele ama e perdoa.

Temos que renunciar ao mal e escolher o bem.
Se semeamos o bem, recolheremos bons frutos.
Se semearmos o mal, recolheremos frutos maus.

Às consequências negativas das nossas escolhas
não são castigos de Deus,
mas o resultado da nossa maneira de viver.
Deus quer a nossa felicidade,
por isso Ele nos aconselha a renunciar ao mal e a fazer o bem sempre.
Estreito é caminho que leva à vida,
largo e espaçoso o cominho que leva à perdição.

As escolhas que fazemos hoje
produzem consequências que colheremos amanhã.
É bem melhor evitar o pecado no início
do que lutar para superar as suas tristes consequências.

Que a nossa oração seja:
“Senhor, precisamos da Tua sabedoria
para nos ajudar a fazermos boas escolhas,
e do Teu perdão quando fizermos más escolhas.”

Uma boa razão para fazer a coisa certa hoje
e amanhã colheremos bons frutos.