DUAS FORMAS DE VIVER

24 de Abril de 2019 Não Por Pe Leo Orlando

VIVER SEGUNDO O ESPÍRITO E NÃO SEGUNDO A CARNE

Existe uma questão muito importante: como precaver-nos contra as insídias e as astúcias do diabo? Já falamos de como ele actua, agora vamos tomar consciência das possibilidades concretas que temos para nos defendermos.

São João da Cruz deixou o seguinte ensinamento: «é preciso reservar a melhor parte das nossas energias e das nossas preocupações para as realidades que causam directamente a nossa santificação: o amor paternal e misericordioso do Senhor; a nossa união com Cristo Cabeça e Mediador; a acção do Espírito Santo pela graça; as virtudes e os dons; a inabitação da Trindade na alma dos justos; a intervenção da Mãe de Deus na aplicação dos frutos da Redenção; a protecção dos anjos e a intervenção dos santos» (Nilo de São Brocardo, São João da Cruz, pp. 135-136).

Tudo o que robustece a nossa vida espiritual — oração, sacramentos e sacramentais, desprendimento interior, meditação da Palavra de Deus, contemplação, o nosso trabalho feito com fidelidade, espírito de fé e amor — tudo quanto alimenta a vida cristã, também, contribui a reforçar as nossas estruturas espirituais e, portanto, para nos proteger dos ataques e ciladas de Satanás.

O Apóstolo São Paulo, exortava aos cristãos e viver “segundo o Espírito” e a não satisfazer os desejos mundanos.
«Mas eu digo-vos: caminhai no Espírito, e não realizareis os apetites carnais. Porque a carne deseja o que é contrário ao Espírito, e o Espírito, o que é contrário à carne; são, de facto, realidades que estão em conflito uma com a outra, de tal modo que aquilo que quereis, não o fazeis». (Gal, 5, 16-17)

A seguir explica quais são as obras da carne e àqueles que as praticarem não entrarão no Reino de Deus. Depois fala das obras do Espírito que levam à salvação:
«As obras da carne estão à vista de todos. São estas: fornicação, impureza, devassidão, idolatria, feitiçaria, inimizades, contenda, ciúme, fúrias, ambições, discórdias, partidarismos, invejas, bebedeiras, orgias e coisas semelhantes a estas. Sobre elas vos previno, como já preveni: os que praticarem tais coisas não herdarão o Reino de Deus. Por seu lado, é este o fruto do Espírito: amor, alegria, paz, paciência, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, autodomínio … os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne com as suas paixões e desejos. Se vivemos no Espírito, sigamos também o Espírito. Não nos tornemos vaidosos, a provocar-nos uns aos outros, a ser invejosos uns dos outros.» (Gal 5, 19-26)

A Carta aos Romanos di-lo claramente:
«Os que vivem segundo a carne aspiram às coisas da carne; os que vivem segundo o Es-pírito aspiram às coisas do Espírito. A carne conduz à morte; o Espírito é que dá vida e paz … Os que vivem sob o domínio da carne são incapazes de agradar a Deus.» (Rom 8, 5-8) Para vi-vermos segundo o Espírito devemos combater contra as tenta-ções da carne e do mundo.

O demónio actua para nos afastar de Deus e levar-nos à perdição eterna.
Ele é o “Maligno”, o inimigo de Deus e o inimigo da nossa salvação. Ele aperta-nos com as suas propostas mentirosas. Jesus venceu as tentações opondo a Palavra de Deus. Na Igreja encontramos a Palavra de Deus, a Luz da Verdade que ilumina a nossa vida. Por ela «o pensamento de Cristo” está dentro de nós e com ele julgamos todas as coisas» (1Cor 2, 15-16).

Satanás tem um ódio feroz contra Deus e contra o homem.
O ódio é a sua força poderosa. Ele é homicida «desde o começo» (Jo 8, 44) e quer acender nos nossos corações sentimentos de ódio, de discórdia e de vingança. O seu objectivo é destruir o homem na sua individualidade, na sua família e na sociedade. É sobre o homem que ele exerce a sua sinistra atracção.

Frágil é a nossa natureza humana, mas se recorremos a Jesus tornamo-nos fortes.
Jesus está ao nosso lado, Ele é o homem forte que despoja a armadura de Satanás e o vence: «Quando um homem forte, bem armado, guarda o seu palácio, todos os seus bens estão seguros. Mas se chegar um homem mais forte do que ele, este rasga a armadura na qual confiava e distribui os despojos» (Lc 11, 21-22).

Satanás é o “príncipe das trevas” (Ef 2,2), experto na arte de enganar os homens. Serve-se dos conhecimentos muito mais vastos e profundos que ele tem, devido à sua natureza angélica, para impor os seus projectos a nosso detrimento. Aprovei-ta-se da nossa ignorância e apresenta-nos o mal como se fosse um bem, seduz-nos com as suas mentiras. É dessa forma que seduziu Eva: “Tornar-vos-eis iguais a Deus, conhecendo o bem e o mal” (Gn 3, 5).