O DIABO: TRÉS RAZÕES PARA ODIAR

24 de Abril de 2019 Não Por Pe Leo Orlando

TRÊS RAZÕES PARA ODIAR
Os demónios, como já dissemos, desencadeiam a sua fúria contra os homens como «leões raivosos», semeando ódio, maldade, destruição e morte. Mas qual é o motivo de tanto ódio? Procuremos a resposta, em primeiro lugar, na Palavra de Deus.
“Então uma guerra irrompeu no céu: Miguel e seus anjos lutaram contra o dragão. O dragão lutou junto com seus anjos, mas eles não prevaleceram e não havia lugar para eles no céu. O grande dragão, a antiga serpente, que se chama o diabo e Satanás, que seduz o mundo inteiro, foi atirado para a terra e com ele também os seus anjos. Ai de vós terra e mar, porque o diabo caiu sobre vós, cheio de grande fúria, sabendo que só lhe resta pouco tempo” (Ap 12, 7-9.12b).
São palavras misteriosas, mas muito claras. É praticamente impossível saber como, porque e quando aconteceu esta guerra misteriosa no céu. Mas, este texto, que é Palavra de Deus, lança uma luz que nos ajuda a entendermos o mistério do mal que aflige os homens na Terra: os anjos rebeldes, tendo perdido a batalha, foram lançados sobre a terra, onde atacam os homens com grande furor.
Os demónios lançam-se contra os homens com grande fúria. É uma imagem impressionante. É possível saber qual é a razão profunda de tanto ódio contra nós?

Respondemos que, à luz da Palavra de Deus, é por três razões:

1º A inveja pela criação do homem. Quando Deus criou os seres humanos, os espíritos malignos já existiam. Deus criou o homem e a mulher à Sua própria imagem e semelhança, isto é, criaturas belíssimas, adornadas com todos os dons da Graça. Colocou-os no Jardim, num belo ambiente natural, tinham tudo ao seu dispor, inclusive a possibilidade de comunicar-se familiarmente com Deus. Os demónios, no seu ódio e desespero, por terem perdido a felicidade do Céu, sentiram um ódio ardente contra os homens, destinados a ocupar o lugar que eles tinham na glória de Deus. A Bíblia afirma: «Deus criou o homem para a imortalidade: fê-lo à imagem de sua própria natureza… A morte entrou no mundo pela inveja do diabo». (Sb 2, 23-24). É precisamente a inveja a razão fundamental pela qual tentaram arruinar o homem, fazendo que se rebelasse contra Deus.

2ª Raiva, porque através da redenção de Cristo o homem foi elevado a uma glória ainda maior: assumiu a dignidade de «filho de Deus».
«Vede que amor tão grande o Pai nos concedeu, a ponto de nos podermos chamar filhos de Deus; e, realmente, o somos! Carís-simos, agora já somos filhos de Deus, mas não se manifestou ainda o que havemos de ser. O que sabemos é que, quando Ele se manifestar, seremos semelhantes a Ele, porque o veremos tal como Ele» (1Jo 3,1-2).
Pela obra redentora de Cristo, o homem foi elevado a uma glória ainda maior. Como é que devemos entender esta afirmação?
O pensamento comum é que Jesus restaurou a natureza huma-na decaída. Vamos resumir com o seguinte exemplo: um aciden-te de viação destrói gravemente um carro; mas um bom bate-chapa consegue restaurá-lo e o carro volta mais ou menos como estava antes. Jesus restaurou o homem como estava antes do pecado. Este exemplo é insuficiente. Jesus fez renascer os ho-mens, dando-lhes uma vida nova, muito melhor do que a prece-dente. Vamos dar um exemplo mais exacto. Um terremoto realiza uma grande destruição. Com os subsídios do Estado, uma pessoa, que tinha uma casa velha e modesta, reconstrói a sua casa, no mesmo lugar, mas agora é uma casa nova, com mate-riais mas resistentes, com espaços amplos, bem iluminados e mais confortáveis. O terremoto deu-lhe a oportunidade de ter uma casa nova, muito melhor. Desta forma, a redenção de Cristo elevou o género humano a uma dignidade infinitamente maior: deu-lhe uma vida nova, a vida de filho de Deus.

3ª Porque lhe resta pouco tempo. Satanás está furioso porque a obra redentora de Cristo já definiu o limite preciso do seu reinado de ódio: o fim dos tempos, o fim do mundo, o regresso glorioso de Cristo. Satanás não sabe quando, o dia e a hora, mas sabe que o seu poder vai acabar. Jesus, ao falar da Sua própria morte, diz «Agora é o julga-mento deste mundo; agora é que o dominador deste mundo vai ser lançado fora. E Eu, quando for erguido da terra, atrairei todos a mim.» (Jo 12, 31-32). E com a vinda do Espírito Santo: «o dominador deste mundo já foi condenado.» (Jo 16,11). Satanás já foi julgado e lançado fora. O seu destino está marcado, pouco tempo lhe resta. Mesmo que não se saiba quando será o fim, o tempo que tem ao seu dispor é sempre breve, comparado à eternidade. No livro do Apocalipse – o último livro da Bíblia – encontramos palavras de grande força expressiva: «O diabo foi lançado sobre vós, cheio de grande furor, sabendo que lhe resta pouco tempo» (Ap 12, 12). É como um condenado à morte que sabe que deve morrer, mas não sabe quando será executada a sentença. (Raul Salvucci, Indicações pastorais de um exorcista, pp. 45-51)