7 – O que é a oração

Jesus ensinou a orar sempre, em todos os momentos da nossa vida. Dissemos que esta oração contínua é a oração do coração, isto é, a oração que o Espírito Santo suscita em nós. A Igreja, desde sempre, ensina que a oração tem o seu ritmo. Um ritmo quotidiano: a oração da manhã e da noite, antes e depois das refeições, a Liturgia das Horas. Um ritmo semanal: a celebração eucarística. Um ritmo anual: as grandes festas litúrgicas. (Catecismo da Igreja católica, 2698)

Hoje nos perguntamos: O QUE É A ORAÇÃO?
– A oração é um ato de amor.
– A oração é reconhecer que Deus me ama.
– A oração é procurar a verdade.
– A oração é fazer abastecimento de boa vontade.

1. A oração é um ato de amor
O que é a oração? Podemos encontrar diferentes definições.
A oração é “falar com Deus”; “pensar em Deus”; “elevar a mente e o coração a Deus”, etc … mas, a oração é sempre “um encontro pessoal com Deus”, um encontro do filho com o Pai. Por isso, a oração é, essencialmente, um ato de amor. Quando nos for dado compreender isto, já estamos no centro da oração. Amo, então rezo. Se progredir no amor, progrido também na oração. Jesus ensinou que a oração é amor, quando nos deixou a oração do “Pai nosso”. Cada um dos oito pedidos desta oração, é um ato de amor:
* Pai nosso: a oração é uma relação afectuosa de um filho com o seu Pai; Seja santificado o Vosso nome: Pai, quero que sejais acolhido e amado por todos; Venha a nós o Vosso Reino: Pai, quero que Tu vivais no coração de cada homem; Seja feita a Vossa vontade: Pai, que o nosso amor seja mostrado com atos inspirados no amor de Cristo – “não a minha mas a Tua vontade seja feita”; Dai-nos o nosso pão de cada dia; Dai-me a mim e a todos, o alimento material e espiritual, para que Vos possamos continuar a amar; Perdoai-nos como nós perdoamos: Pai, perdoai-nos, pelo Vosso amor, e ajudai-nos a amar, perdoando; Não nos deixeis cair em tentação: Pai, salvai-nos do perigo de Vos atraiçoarmos; queremos amar-Vos com todas as nossas forças; Livrai-nos do mal: Pai, livrai-nos de tudo o que nos afasta do Vosso amor.

* A oração do Pai Nosso, a oração que o Senhor ensinou, é o modelo que deve inspirar todas as nossas orações. Segundo a oração do Pai Nosso, não há dúvida: a oração é amor. Orar é amar. Amo a Deus, por isso rezo. A oração é amor: esta é a primeira e a mais importante definição da oração.
* A oração é amor porque é a resposta ao primeiro mandamento de Deus: “amarás o Senhor, teu Deus, com todo o teu coração, com toda a tua alma, com todas as tuas forças” (Dt 6,5). Amar a Deus não é só uma opção, é algo proposto à nossa escolha, é uma necessidade: o amor, ”este é o maior e o primeiro mandamento”, disse Jesus (Mt 22,38). Como é que nós podemos cumprir o mandamento do amor? A resposta é simples: fazer deste mandamento o conteúdo fundamental da nossa oração.
* A oração é uma relação de amizade com Deus e, tal como a amizade, não tem regras. Não podemos dizer que já aprendemos a orar, porque mal acabamos de o afirmar abre-se um novo horizonte inexplorado diante de nós. A oração é rica como a vida: é uma caminhada na qual há sempre algo a aprender. Como a vida não tem um dia igual a outro, assim é na oração, não existe uma experiência igual a outra. A oração é rica como a vida.

2. A Oração é reconhecer que Deus me ama
A primeira verdade da oração é a seguinte: que eu reconheça que “Deus me ama”.
Quando esta convicção atingir o profundo do meu ser, a oração parte sozinha, sem esforço. A convicção de que “Deus me ama” constitui o fundamento da oração. Não é fácil chegar a esta convicção, mas vale a pena lutar para a construir dentro de nós porque, com ela, entramos diretamente no coração de Deus.

3. O oração é procurar sempre a “verdade”.
* Jesus disse que a verdade nos libertará. Deus é a Verdade, Ele não suporta a mentira. Diante Dele, devemos ser verdadeiros. Por isso, nos apresentamos diante Dele, assim como somos: preguiçosos, fracos, distraídos, pobres … A procura da verdade é sinal de abertura a Deus, uma abertura que requer sinceridade e humildade.
* A oração é procura de verdade porque exige coerência: a oração não termina com a oração, mas com a acção, isto é, com uma demonstração prática. O amor prova-se com os factos. A oração, se for verdadeira, transforma a nossa vida, por isso, é um meio eficaz para enfrentarmos responsavelmente os nosso problemas.

4. A oração é fazer abastecimento de boa vontade
Se paramos numa bomba de gasolina é para abastecer, não é para estacionar o carro. Se abastecemos é porque tencionamos viajar. Se viajamos, gastamos a gasolina, por isso será necessário abastecer mais uma vez. A oração é uma paragem para fazermos abastecimento de boa vontade, por isso, habituemo-nos a terminar a nossa oração com uma decisão generosa de amor concreto. O bem conseguido dar-nos-á força para alcançarmos uma nova vitória. A oração prepara para ação e termina na ação.

Vós, Senhor, sois o meu Deus, anseio por Vós. A minha alma está sedenta de Vós, como terra árida, sem água. Desejo contemplar-Vos no santuário para ver o Vosso poder e a Vossa glória. O Vosso amor é mais precioso do que a vida e os meus lábios hão-de cantar os Vossos louvores. Quero bendizer-Vos toda a minha vida, levantar as minhas mãos em Vosso Nome. (Do Salmo 63).

Resumindo. São Paulo exortava aos cristãos: “Sede sempre alegres, rezai sem cessar, e, em todas as circunstâncias, dai graças a Deus” (1 Tes 5,16-18). A oração é como o ar que respiramos. É um ato de amor e acontece sempre que nos lembramos Daquele que é a fonte da nossa vida, o nosso tudo.
A oração não é um dever, é uma necessidade. Precisamos da oração tal como precisamos da comida, da água e do ar que respiramos. Se encaramos a oração como um dever, bem depressa ficaremos cansados e a abandonaremos. Mas quando compreendemos que a oração é uma necessidade, mesmo que exija esforço, nunca a abandonaremos, sempre voltaremos a procurar-la porque este encontro pessoal com Deus nos dá força, nos enche de amor e de paz. Para entrarmos na oração temos que ser verdadeiros e sinceros, temos de nos colocar diante do Senhor como simplicidae, assim como somos, fracos e pecadores. A oração é fazer “abastecimento” de boa vontade. Se paramos numa bomba de gasolina é para abastecer, não é para estacionar o carro e ficarmos parados. Se abastecemos é porque queremos viajar. Se viajamos, gastamos a gasolina, por isso, será necessário parar e abastecer mais uma vez. A oração é uma paragem para fazermos abastecimento de boa vontade, por isso, habituemo-nos a terminar a nossa oração com uma decisão generosa de amor concreto. O bem conseguido dar-nos-á força para alcançarmos uma nova vitória. A oração prepara para ação e termina na ação.

Comments are closed.