4 – Jesus, único Salvador

22 de Maio de 2018 Não Por Pe Leo Orlando

O que diferencia o Cristianismo das demais religiões é a vida eterna, que não é uma simples sobrevivência da alma, mas a plenitude da vida, comunhão perfeita com Deus Trindade. Por isso falamos de salvação, de vida eterna, por cada pessoa, uma salvação que Jesus conquistou pela Sua Encarnação, Paixão, Morte e Ressurreição.

Por isso, é necessário acolher a Jesus como único Salvador. Os Apóstolos pregavam com todo o ardor: Cristo morto e ressuscitado, a nossa salvação!

São Pedro, em Jerusalém, deixa bem claro aos judeus:
“Em nenhum outro há salvação, porque debaixo do céu nenhum outro nome foi dado aos homens, pelo qual devemos ser salvos” (At 4,12). As palavra de São Pedro, o príncipe dos Apóstolos, dever ser repetidas hoje, com profunda convicção para que ninguém seja enganado: “Em nenhum outro há salvação”. Jesus é o único Salvador, pois “nenhum outro nome foi dado aos homens pelo qual devemos ser salvos”.

Jesus conquistou a salvação eterna “não por bens perecíveis, como a prata e o ouro… mas pelo precioso sangue de Cristo, o Cordeiro imolado” (1Pe 1,18). Jesus “Carregou os nossos pecados em Seu corpo sobre o madeiro, para que, mortos aos nossos pecados, vivamos para a justiça. Por fim, por suas chagas fomos curados” (1 Pe 2,24).

Jesus é o Cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo porque Ele deu a Sua vida como sacrifício da nossa salvação. Era necessário um sacrifício de valor infinito para reparar as ofensas infinitas dos nossos pecado contra a Majestade (infinita) de Deus e a Sua justiça. Jesus ofereceu-Se como vitima de expiação, como oblação pura e santa, para satisfazer a justiça divina.

Cristo Jesus, nosso Senhor e Salvador, ofereceu a Sua Vida (humana e divina), o Sacrifício da Nova e Eterna Aliança, ao Pai para nos salvar. Fez de nós Seus irmãos. Lá na cruz, deu-nos a maior prova de amor. Esta verdade levou São Paulo a exclamar, quando escreveu aos romanos: “Eis uma prova maravilhosa do amor de Deus para conosco: quando ainda éramos pecadores Cristo morreu por nós” (Rom 5,8).

Em 1933, a Irmã Faustina teve uma impressionante visão sobre a Misericórdia Divina: o Pai olha para a humanidade através das Santas Chagas de Jesus.
Eis as palavras de Santa Faustina: “Vi uma grande luz, e nela Deus Pai. Entre esta luz e a Terra vi Jesus pregado na Cruz de tal maneira que Deus, querendo olhar para a Terra, tinha que olhar através das chagas de Jesus. E compreendi que somente por causa de Jesus, Deus está abençoando a Terra.”

Como é que a salvação de Jesus Cristo chega até nós? É pela fé em Jesus Cristo, vivida e celebrada na Igreja que Ele fundou. É pela fé que vivemos a vida nova da graça aqui e na eternidade. A nossa conta com a justiça divina foi paga por Jesus: “Se confessares bem alto com a tua boca que Jesus é o Senhor, e se creres em teu coração que Deus o ressuscitou entre os mortos, serás salvo. Porque é crendo com o coração que se obtém a justiça, e é professando com palavras que se chega à salvação” (Rom 10,9-10).

Somos salvos pela fé em Jesus Cristo que recebemos da Santa Igreja Católica, o seu Corpo Místico, “Sacramento universal da salvação da humanidade” (LG, 5). Jesus, ao despedir-se dos discípulos, antes da Sua Ascensão ao Céu, colocou as condições para a salvação: “Quem crer e for batizado será salvo, quem não crer será condenado” (Mc 16,16).

* Como o corpo cresce com os alimentos, os cuidados médicos … assim também a alma precisa de alimentos e de cuidados: a Palavra de Deus, com a oração pessoal e comunitária, com os sacramentos…  
* Se confiares em Jesus, Ele cuida de ti. Com Ele, Satanás nada pode fazer contra ti: “Nós bem sabemos que quem nasceu de Deus não peca, o Filho de Deus o guarda, e o Maligno não o apanha” (1Jo 5,18). 
 
Podemos então resumir citando as palavras de São Pedro: Jesus é o único Salvador, «Não temos outro nome em baixo do céu em que podemos ser salvos» (Actos 4,12). Quem invocar  o nome de Jesus será salvo: o nome de Jesus “está acima de todo o nome, para que, ao nome de Jesus se dobrem todos os joelhos, no céu, na terra e nos abismos” (Fl 2,9-10).  

* O nome de Jesus é poderoso porque é o nome do Filho de Deus. São Pedro curou o paralítico à porta do templo dizendo:  «Não tenho ouro nem prata, mas o que tenho te dou: em nome de Jesus Cristo, levanta-te e anda»  (Actos 3,1-8). Foi o nome de Jesus que o curou.  
* O poder do nome de Jesus pode também libertar os homens do demónio. Jesus disse aos seus discípulos:  «Eis os sinais que acompanharão os que acreditam em Mim: em meu nome expulsarão os demónios»  (Mc 16,17).  

Não procurar a salvação fora de Jesus Cristo
Infelizmente há batizados que, mesmo conhecendo a grande prova de Amor de Deus em Jesus Cristo, renegam a sua fé e vão buscar a salvação onde ela não existe. Assim abandonam a Jesus Cristo, o verdadeiro e único Salvador, abandonam a verdadeira e única Igreja que Ele fundou, e vão buscar refúgio espiritual em tudo o que é abominável a Deus (Deut 18,10-13). Quem busca a salvação fora de Cristo e da Sua Igreja, trai a sua fé, abandona Jesus Cristo, despreza a Sua Santa Cruz, despreza as Suas Santas Chagas, os méritos infinitos do Seu imenso amor.

É verdade que fazem isso por ignorância … mas chegou a hora de acordar desse sono de morte! Chegou a hora de abrir os olhos para a luz. A palavra de Deus adverte-nos severamente: “Não vos voltareis para os necromantes (consulta aos mortos) nem consultareis os adivinhos; pois eles vos contaminariam” (Lev 19,31). O ocultismo provoca uma contaminação espiritual perigosa para a nossa alma: é pedir ajuda ao demónio, “fora” de Deus e contra as suas Leis e contra a Sua vontade. “Se alguém se dirigir aos necromantes ou aos adivinhos para fornicar com eles, voltarei o meu rosto contra esse homem…” (Lev 20,6).

São palavras severas do Senhor sobre esta questão. Só há uma salvação e um único salvador: Jesus Cristo! Só há uma Igreja, a qual Jesus incumbiu de levar a salvação, através dos sete Sacramentos, a Igreja Católica. “Fora da Igreja não há salvação”, ensina-nos o Catecismo da Igreja; isto é, “toda a salvação vem de Cristo-Cabeça através da Igreja que é o seu Corpo” (n. 846).

Aqueles que, conscientemente rejeitarem a Igreja, rejeitarão a Cristo e também a salvação. São Paulo alertou os Coríntios: “As coisas que os pagãos sacrificam, sacrificam-nas aos demónios e não a Deus. Não quero que tenhais comunhão com os demónios. Não podeis beber ao mesmo tempo o cálice do Senhor e o cálice dos demónios” (1 Cor 10,20-22).

Todo culto prestado a qualquer Entidade, que não seja Deus, é dirigido ao demónio. Quem recorre ao ocultismo presta culto ao demónio, faz comunhão com ele. Aí está o perigo das práticas esotéricas e supersticiosas.

São Paulo chama a Igreja de “Casa de Deus” e diz que ela é “a coluna e o sustentáculo da verdade” (1Tm3,15). Falando a S. Timóteo, ele diz que: “Deus quer que todos se salvem e cheguem ao conhecimento da verdade” (1Tm2,4). É importante notar que o Apóstolo relaciona diretamente a salvação com o “conhecimento da verdade”. Essa verdade, Jesus confiou-a à sua Igreja, para que a levasse a todos os homens de todos os tempos e de todos os lugares. “Quem vos ouve, a Mim ouve, quem vos rejeita, a Mim rejeita; e quem Me rejeita, rejeita aquele que Me enviou” (Lc10,16). “Não temas pequeno rebanho, foi do agrado do Pai dar-vos o Reino” (Lc 12,32).

Só a eles o Senhor confiou o encargo de ensinar, sem erro, com a assistência do Espírito Santo: “Ide pelo mundo inteiro, pregai o Evangelho a todas as nações, ensinando-as a observar tudo o que eu prescrevi” (Mt28,18).

Não arrisques a tua salvação eterna. Salva a tua alma!