3 – A fé da Igreja

22 de Maio de 2018 Não Por Pe Leo Orlando

A Igreja ensina que a fé é dom de Deus. É a virtude (teologal) que nos leva a crer em Deus e em tudo o que nos disse e revelou, e que a Santa Igreja nos propõe para crer. Pela fé, “o homem livremente se entrega todo a Deus”. O cristão procura conhecer e fazer a vontade de Deus, já que “o justo viverá da fé” (Rm 1,17) e “sem fé é impossível agradar a Deus” (Hb 11,6). A fé em Deus, nos leva a voltar só para Ele, como nossa origem e nosso fim, e a nada preferir a Ele e nem a substituí-Lo por nada.

* Muitas pessoas dizem: “eu tenho a minha fé”. Sem por em dúvida a sinceridade e boa vontade dessas pessoas, devemos afirmar que não é suficiente “ter fé”, é necessário ter a fé da Igreja, isto é, uma fé pessoal que se alimenta com a PALAVRA DE DEUS, OS SACRAMENTOS E A ORAÇÃO. Uma fé que não se alimenta com a Palavra de Deus, com a oração e os sacramentos não é uma fé verdadeira.

A fé da Igreja é uma fé que se alimenta
com a ORAÇÃO, PALAVRA DE DEUS e SACRAMENTOS

A fé, é como uma chama que precisa de combustível para se manter acesa. É como uma plantinha que precisa de água todos dias, que precisa do calor do sol e de adubo, para se alimentar e crescer a cada dia.
A fé cresce com a oração diária, com a intimidade com Deus, com a amizade com Jesus, o “divino Amigo”, partilhando com Ele todos os momentos da nossa vida, as alegrias e os sofrimentos. A fé torna-se forte quando meditamos a Palavra de Deus. Quando obedecemos, quando cumprimos o que Ele ordena, sem medo e sem dissimulação. “Corramos com perseverança ao combate proposto, com o olhar fixo no autor e consumidor da nossa fé, Jesus” (Hb 12,1).
A nossa fé cresce, torna-se forte e segura quando nos alimentamos com o Pão da Vida, quando recebemos Jesus na Eucaristia, o sacramento da Sua Presença. Quando participamos regularmente na Santa Missa, estamos a alimentar a nossa alma na mesa da Palavra de Deus e do Pão da Vida. Na Santa Missa encontramos “o alimento da nossa vida e o remédio de todos os nossos males”. Jesus disse que, quem come a Sua carne e bebe o Seu Sangue “permanece Nele”, “viverá por Ele” e Ele o ressuscitará no último dia.
“Quem realmente come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna e Eu hei-de ressuscitá-lo no último dia, porque a minha carne é uma verdadeira comida e o meu sangue, uma verdadeira bebida. Quem realmente come a minha carne e bebe o meu sangue fica a morar em mim e Eu nele. Assim como o Pai que me enviou vive e Eu vivo pelo Pai, também quem de verdade me come viverá por mim. Este é o pão que desceu do Céu; não é como aquele que os antepassados comeram, pois eles morreram; quem come mesmo deste pão viverá eternamente.” (Jo 6,54-58)

Amar a Deus e ao próximo
A fé cresce e se fortalece quando amamos a Deus e ao próximo, pois, a fé viva “age pela caridade” (Gl 5,6). “A fé é morta sem obras” (Tg 2,26); a fé viva faz-nos crescer na esperança e no amor. A fé viva une-nos plenamente a Cristo, faz-nos membros vivo do seu Corpo.

A fé não é apenas algo individual, mas coletivo, é da Igreja. Muitos fraquejam na fé porque vivem na “sua” fé, pobre e fraca. Temos de viver na fé “da Igreja”, tudo o que ela recebeu de Cristo e nos ensina. Jesus disse à Igreja: “Quem vos ouve a Mim ouve, quem vos rejeita a Mim rejeita…” (Lc 10,16). Só tem fé inabalável aquele que crê e vive o que ensina a Santa Igreja, Esposa do Senhor, pois ela é o Seu “braço estendido em nossa história”. A Igreja nunca teve crise de fé.

Quando a fé não se alimenta
com a ORAÇÃO, PALAVRA DE DEUS e SACRAMENTOS
arrefece e morre

O que pode apagar a nossa fé?
Os nossos pecados. Lutar contra os pecados é o meio de manter acesa a fé. Uma vida de tibieza (relaxamento espiritual), mata a fé. Por é necessário recorrer à Confissão, sem demora, sempre que o pecado assaltar a nossa alma. Nada de auto piedade e de falso orgulho, vamos depressa ao sacerdote! Jesus derramou seu Sangue para nos perdoar os pecador. Não permita que, a erva daninha do pecado vá matando a planta da fé no jardim da sua alma.

Para manter viva a luz da fé, recorremos à oração e renovamos a cada dia a nossa confiança em Deus. Pela fé colocamos tudo nas Suas Mãos. Pela fé, como crianças, abandonamos tudo no colo da mãe e ficamos seguros, serenos sem preocupações. Quando confiamos em Deus, conhecemos a Sua infinita grandeza e majestade, por isso, a nossa boca abre-se para Lhe agradecer por tudo o que somos e que Dele continuamente recebemos. “Que é que possuís que não tenhais recebido?” (1 Cor 4,7). “Como retribuirei ao Senhor todo o bem que me fez?” (Sl 116,12)

Viver na fé significa, confiar sempre em Deus, em qualquer circunstância, mesmo na adversidade. Como dizia Santa Teresa: “Nada te perturbe, nada te assuste, Deus não muda, a paciência tudo alcança, quem a Deus tem nada falta. Só Deus basta!”. “Tudo concorre para o bem dos que amam a Deus” (Rom 8,28).

A fé exige também dar testemunho de Cristo.
“Todo aquele que se declarar por mim diante dos homens também eu me declararei por ele diante de meu Pai que está nos céus. Aquele, porém, que me renegar diante dos homens também o renegarei diante de meu Pai que está nos céus” (Mt 10,32-33).

Quanto mais se exercita a fé, mais ela cresce em nós e se fortalece; quanto menos a exercitamos, mais se torna raquítica.