Curados de que

2 de Janeiro de 2018 0 Por Pe Leo Orlando

Curados de que? De todas as doenças.

Existem doenças das quais não temos nenhuma culpa: limitações físicas congénitas ou adquiridas, mau funcionamentos de um ou mais órgãos do nosso corpo, taras hereditárias, traumas de infância ou até do ceio materno, doença devidas às circunstancias da vida, trabalho, alimentação … Outras doenças foram provocadas e somos culpados: dependência do álcool, da droga, fumo, excesso de comida, sexualidade desordenada. Outras doenças são enraizadas ao nível inconsciente e incidem na nossa vida física: medos de vário género, perturbações devidos a relacionamentos conflituosos, pai autoritário, mãe possessiva, complexos de culpa, agressividade, insegurança, falta de auto-estima, falta de aceitação positiva de si mesmos e dos outros, medo e falta de coragem de enfrentar a vida, falta de perdão, rancores, ressentimentos, tristeza, angustia.

Querer ficar curados.

  • Há uma dimensão importante que vem da psicologia. Há pessoas que vivem apegados a sua própria doença. É possível que uma pessoa encontre na sua doença uma espécie de refúgio para fugir à realidade e atrair a compaixão dos outros. Assim, se torna incapaz de conceber a sua vida de outra forma e renunciar à comiseração dos outros.

  • Jesus perguntou ao paralítico da piscina de Betsatá: «Queres ficar curado?», uma pergunta aparentemente estranha, mas não está tão fora da realidade.

A Palavra de Deus cura

«E nem a erva nem pomada serviu de alivio, mas a Tua Palavra, Senhor, que tudo cura» (Sl 16,12)

Podemos pedir ao Senhor.

Não podemos exigir que Deus nos cure, mas podemos pedir-lhe, com humildade e insistência que nos cure, como fez aquela mulher siro-fenicia (Mc 7,24), o cego de Betsaida (Mc 8,22-26) ou epiléptico possuído por um espírito mudo (Mc 9,14-29).