Jesus, o Médico divino

2 de Janeiro de 2014 0 Por Pe Leo Orlando

Deus mostrou-nos o Seu Rosto em Jesus Cristo. “Ele é o esplendor da Glória de Deus e expressão do Seu Ser e, com o poder da Sua Palavra sustenta o universo” (Heb 1,3). Jesus é o Verbo Eterno do Pai Celeste, consubstancial ao Pai, tudo quanto existe foi feito por Ele (Jo 1,1-3). Ele fez-se homem, no seio puríssimo da Virgem Maria e, depois de ter realizado a purificação dos pecados, subiu aos Céus, à direita de Deus Pai Todo-poderoso (cf. Heb 1,3). Ele veio ao mundo como como Bom Pastor da humanidade para que tenhamos vida em abundância (Jo 10,10-18)

Deus não quer a doença.

As doenças não vêm de Deus, vêm de Satanás, do pecado original, do pecado social e dos nossos pecados pessoais. Deus não quer as doenças, ele quer curar-nos, por isso enviou o Seu Filho que carregou nas suas costas todos os nossos sofrimentos (Is 53).

  • Ele passou fazendo o bem a todos e curando todo o género de enfermidade. Dele saia uma força que a todos curava e «até os que tocavam na orla das suas vestes ficavam curados» (Mt 14,34-36)

  • No Livro do Êxodo, Deus é o libertador que conduz da escravidão à liberdade e diz: «Eu Sou o Senhor que te cura» (Ex 15,26) e ainda: «prestareis culto ao Senhor, vosso Deus, que abençoará vosso pão e vossa água e vos preservará da enfermidade» (Ex 23,25).

Não encontramos na Bíblia nenhuma passagem que prove ser Deus a origem da enfermidade. Muito pelo contrário afirma que Deus é Aquele que cura o seu povo.

  • Deus criou os anjos e os homens, seres dotados de inteligência, livre arbítrio e poder de atuar, que se rebelaram contra Deus. O mal entrou no mundo, mas Deus, na Sua infinita sabedoria, se serve do mal, doenças, dores, perseguições, perfídia e de toda a maldade, para ajudar a santificação dos homens.

Jesus é o Médico divino

Cerca de um terço do Evangelho fala de Jesus que cura os doentes, expulsa os demónios e ressuscita os mortos. São Mateus, no seu Evangelho resume a Sua actividade: «Jesus percorria toda a Galileia, ensinando nas sinagogas, pregando o Evangelho do Reino e curando entre o povo todas as doenças e enfermidades» (Mt 4,23)

  • E ainda: «Jesus percorria as cidades e as aldeias, ensinando nas sinagogas, proclamando o Evangelho do Reino e curando todas as enfermidades e doenças. Contemplando a multidão, encheu-se de compaixão por ela, pois estava cansada e abatida, como ovelhas sem pastor.» (Mt 9,35-36)

Jesus cura porque ama

Jesus cura porque se compadece do sofrimento humano. Ele veio procurar e salvar os que andam perdidos (Lc 19,10).

  • Chamou os doze e «deu-lhe poder de expulsar os demónios e de curar todas as enfermidades e doenças». E enviou-os a anunciar o Evangelho, mas também a curar os doentes: «Envio-os a proclamar o Reino de Deus e a curar os doentes» (Lc 9,2)

  • Jesus enviou os Apóstolos dando-lhes esta ordem: «Ides, proclamai que o Reino do Céu está perto. Curai os enfermos, ressuscitai os mortos, purificai os leprosos, expulsai os demónios. Recebestes de graça, dai de graça». (Mt 10,8)

  • São Paulo afirma que «Jesus é o mesmo ontem, hoje e por toda a eternidade». As obras que Ele realizou durante a sua vida terrena, continua a realizá-las ainda hoje, através do seu Espírito.

  • Jesus afirmou bem claro que os prodígios e milagres não terminariam com a sua morte: «Em verdade, em verdade vos digo: quem crê em mim também fará as obras que Eu realizo; e fará obras maiores do que estas, porque Eu vou para o Pai» (Jo 14,12).

  • Os discípulos acreditaram e partiram pelo mundo, ensinando e realizando tudo o que o Senhor lhes ordenara e «o Senhor cooperava com eles, confirmando a Palavra com os sinais que a acompanhavam.» (Mc 16,20)

Jesus está sempre connosco

O poder de Jesus que cura e liberta está disponível ainda hoje: «Eis que estarei convosco todos os dias até o fim do mundo» (Mt 28,20)

  • Jesus disse: «tudo é possível a quem acredita» (Mc 9,23): «Estes sinais acompanharão aqueles que acreditarem: em meu nome expulsarão demónios, falarão línguas novas, 18apanharão serpentes com as mãos e, se beberem algum veneno mortal, não sofrerão nenhum mal; hão de impor as mãos aos doentes e eles ficarão curados.» (Mc 16,17).

  • «Que o Deus de Nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai a quem pertence a glória, vos dê o Espírito de sabedoria e vo-lo revele, para o conhecerdes; sejam iluminados os olhos do vosso coração, para saberdes que esperança nos vem do seu chamamento, que riqueza de glória contém a herança que Ele nos reserva entre os santos e como é extraordinariamente grande o seu poder para connosco, os crentes, de acordo com a eficácia da sua força poderosa, que eficazmente exerceu em Cristo: ressuscitou-o dos mortos e sentou-o à sua direita, no alto do Céu» (Ef 1,18-20)

  • O Apostolo São Tiago, fala de um rito existente na Igreja apostólica para curar os doentes: «Algum de vós está doente? Chame os presbíteros da Igreja e que estes orem sobre ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor» (Tiago 5,14). Este rito continua ainda hoje com o Sacramento da Santa Unção.

Jesus cura pelo poder do Espírito Santo

  • Jesus curava pelo poder do Espírito Santo: «O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu para anunciar a Boa-Nova aos pobres; enviou-me a proclamar a libertação aos cativos e, aos cegos, a recuperação da vista; a mandar em liberdade os oprimidos, a proclamar um ano favorável da parte do Senhor.» (Lc 4,18)

  • «Dele saia uma força que a todos curava» (Lc 6,19): esta força não é um fluido magnético, nem uma corrente hipnótica ou uma simples sugestão, tão pouco é uma energia ou uma força anónima que podemos manipular como queremos, mas sim é a ação poderosa do Espírito Santo, que operou em Jesus e continua ainda hoje na Igreja. (Lc 4,14)

  • São Paulo é testemunha desta intima relação entre a força do Espírito Santo e as curas que iam realizando, tanto que fala de um carisma especifico: «o dom das curas, por meio do único Espírito» (1Cor 12,9).